Sábado, 26 de Setembro de 2020
55933002617
Dólar comercial R$ 5,55 0.8%
Euro R$ 6,47 +0.49%
Peso Argentino R$ 0,07 +1.02%
Bitcoin R$ 63.047,63 -0.206%
Bovespa 96.999,38 pontos -0.01%
Economia Rio Grande do Sul

Crise do coronavírus atinge mais os sem carteira ou CNPJ no Rio Grande do Sul

No Rio Grande do Sul, 60,6% dos trabalhadores que perderam ocupação no segundo trimestre são informais

07/09/2020 19h51
Por: Redação
Crise do coronavírus atinge mais os sem carteira ou CNPJ no Rio Grande do Sul

O trabalho informal foi mais prejudicado pela etapa inicial da crise do coronavírus no Rio Grande do Sul. No segundo trimestre, dos 436 mil profissionais que perderam a ocupação no setor privado, 264 mil atuavam sem carteira assinada ou CNPJ. Ou seja, o grupo sem registro formal respondeu por 60,6% das vagas destruídas entre abril e junho, na comparação com o período de janeiro a março.

Os dados integram a Pnad Contínua Trimestral, a pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com recorte estadual sobre o mercado de trabalho. Conforme o levantamento, além dos informais, outras 172 mil pessoas com carteira assinada ou CNPJ perderam a ocupação no segundo trimestre. Essa parcela, com registro formal, equivale a 39,4% dos postos fechados no intervalo pelo setor privado.

No primeiro trimestre, a parcela sem registro era de 1,84 milhão. Com a baixa de 264 mil, o número caiu para 1,58 milhão entre abril e junho. Enquanto isso, a parcela formal, mais volumosa, recuou de 3,04 milhões para 2,87 milhões.

Dentro dos informais, o grupo com a maior redução nos ocupados foi o de empregados sem carteira assinada. No segundo trimestre, essa parcela perdeu 134 mil integrantes. Passou de 508 mil para 374 mil no Estado. A categoria com o segundo maior corte foi a de profissionais que atuam por conta própria sem CNPJ. Houve redução de 88 mil vagas.

A parcela, agora estimada em 830 mil pessoas, contempla trabalhadores que prestam serviços como consertos em residências ou vendem produtos nas ruas. Embora mais afetados no início da crise, os informais tendem a voltar ao trabalho de maneira mais rápida, dizem analistas. Isso deve ocorrer porque boa parte depende da renda diária para seu sustento, além de não estar vinculada a decisões tomadas por empresas.

No Brasil, 6,03 milhões de trabalhadores sem registro perderam a ocupação no segundo trimestre. O número corresponde a 63,5% de todas as vagas fechadas no setor privado (9,5 milhões). Durante a pandemia, o auxílio emergencial de R$ 600 serviu para mitigar os prejuízos sentidos pelos trabalhadores sem carteira assinada ou CNPJ. Mas, diante das dificuldades nas contas públicas, o governo reduzirá o valor para R$ 300 nos próximos meses.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Três de Maio - RS
Atualizado às 05h23 - Fonte: Climatempo
24°
Poucas nuvens

Mín. 20° Máx. 35°

24° Sensação
14.2 km/h Vento
51.7% Umidade do ar
90% (25mm) Chance de chuva
Amanhã (27/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 17° Máx. 24°

Chuvoso
Segunda (28/09)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 11° Máx. 23°

Sol com algumas nuvens